Com o tempo, fica mais fácil falar sobre a bissexualidade?

Publicado: 12 de abril de 2013 em Bissexualidade feminina, Bissexualidade masculina
Tags:, , , , , , , , , , , ,

dinnerAdmiro pessoas que começam a namorar alguém do mesmo sexo e já saem falando pra todo mundo. São exemplos a serem seguidos. Eu ainda tenho algumas travas. Namoro há dois anos e meio com uma mulher e já contei para a maioria das pessoas da minha família e do meu círculo de amizades. Mas era difícil compartilhar com os amigos do trabalho, muito difícil.

O primeiro problema era o medo da fofoca, daquelas piadinhas desnecessárias. De saber que as pessoas diriam coisas do tipo “Você não sabe, a Amanda namora mulher…olha o bafo”. Eu me sentiria incomodada. Mesmo sabendo que trabalho em um lugar com pessoas de “mente aberta”. Todos dizem não ter preconceitos e levantam a bandeira do casamento homossexual. Ao mesmo tempo, vira e mexe alguém me dizia: “Você acha que fulano é gay?”. Fofocas e fofocas… é o ser humano, difícil não acontecer.

Mesmo correndo esse risco, resolvi contar para algumas pessoas do trabalho. Estávamos todos sentados em uma mesa, quando eu disse que finalmente estava pronta para falar sobre minha vida amorosa. Silêncio total. Há tempos eles me perguntavam e eu nunca falava nada, dizia que não gostava de falar da minha vida pessoal. Minhas mãos ficaram trêmulas e eu comecei a gaguejar. Pra me ajudar, eles começaram a chutar o que poderia ser: “Você namora alguém do trabalho? É algum chefão? É casado?”. Dei risada e falei, não, gente, na verdade eu namoro uma mulher. As reações foram positivas. “Ahhh, então era isso? Por que você demorou tanto pra contar?”. Outra pessoa comentou: “Nossa, mas eu realmente nunca imaginei. Você não leva jeito”.

É engraçado esse tipo de frase.  As pessoas ainda têm na cabeça um esteriótipo do que é ser gay ou bissexual. Precisa levar jeito, ter trejeitos. Às vezes as pessoas fazem piadas do tipo: “Aquele cara não é homem, é gay”. E desde quando gay, lésbica ou bissexual deixa de ser homem ou mulher? Não é porque eu gosto de mulher que preciso virar um homem. Obviamente há mulheres que preferem se identificar dessa forma, mas não é uma regra.

Mas meus amigos sabem de tudo isso e continuam me tratando normalmente. Agora querem conhecer a minha namorada.

Eu já imaginava que as reações seriam essas, afinal, eles são pessoas com a cabeça muito aberta. Pessoas em quem eu confio e gosto de conversar. Mesmo assim, demorei um bom tempo para conseguir me abrir. Imagina se eles fossem pessoas conservadoras, preconceituosas? Demoraria muito mais pra falar, isso se eu tivesse coragem. Tenho uma amiga que conseguiu. Contou para pessoas que faziam piadinhas e diziam ter “nojo” de beijar alguém do mesmo sexo. Quando ficaram sabendo que uma pessoa próxima era homossexual, houve uma mudança de comportamento. Essas pessoas passaram a respeitar. Talvez essa seja uma forma interessante de pensar. Muitas pessoas respeitam mais quando descobrem que um amigo ou um ente querido faz parte desse grupo. Infelizmente, isso também ainda não é uma regra. Que a mudança comece por nós.

Anúncios
comentários
  1. Denise disse:

    Parabéns pela coragem, Amanda! Eu acompanhava por aqui a sua dificuldade de falar a verdade para as pessoas do trabalho e imagino que não deve ter sido fácil. Com o você está se sentindo? Mais leve? Beijos.

  2. nana disse:

    Parabéns Amanda!!!!!! e q bom q deu tudo certo!!!!!!!!!! 🙂

  3. Joana disse:

    Muitos Parabéns Amanda:) Fico muito feliz por ti. Qual a sensação que tens agora depois de lhe teres contado, sentes-te mais aliviada e liberta ne?

  4. Lisa disse:

    Parabéns Amanda! É mesmo preciso que a mudança comece pela gente ou então tudo se arrasta num ciclo repetitivo em que ser homo, bi ou trans é algo “estranho”. E isso não acontece só com a nossa sexualidade. Quando fiz um piercing na boca, minha mãe disse que as pessoas daqui iam olhar de lado pra mim porque não estavam habituadas a ver gente assim e eu respondi “bom, alguém tem que ser o primeiro a fazer com que se habituem” e ela entendeu o meu ponto. A gente tem que ter coragem de mostrar que não existe o “ser diferente”. Existem sim formas diferentes de viver! Beijo grande*

  5. mariana disse:

    Parabéns Amanda! Vc merece…

  6. Erica disse:

    Menina corajosa. A reação do povo do seu trabalho mostra que eles são seus amigos. Isso também é uma vitória pra você já que imagino que tenha saído um peso enorme das suas costas. Em breve serei eu a me sentir assim. Um abraço Amanda. Parabéns pela coragem

  7. teamareidejaneiroajaneiro disse:

    Atitude corajosa. Melhor ainda está no meio de pessoas que tem um grau de aceitação razoável independente do padrão imposto pela sociedade. Parabéns pela honestidade, de ter aberto o verbo e assumir teus sentimentos diante dos outros, embora não seja dever dá satisfação da nossa vida amorosa, mas é muito gratificante assumir postura em prol da defesa do que se ama e do que se quer quando se pode fazer isso de fato.

  8. Polly disse:

    Amanda,fico feliz por vc está se sentindo melhor agora,acredito que isso a incomodava,espero sinceramente que isso venha te trazer coisas positivas,mas não se espante se descobrires alguns comentários dentro do seu ciclo de amizades,pois vc sabe que muitas pessoas fazem de conta que não tem preconceitos mas na verdade não é bem assim,mas isso não importa,o importante é que vc está bem com vc mesma, e ninguém tem nada haver com sua vida.
    Seja feliz querida!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s