Quando fiquei madura para me relacionar com uma mulher

Publicado: 27 de junho de 2012 em Bissexualidade feminina, Histórias reais, Mundo LGBT
Tags:, , , , , , , , , ,

Quando comecei a entrar no bate-papo do UOL para lésbicas eu ainda não sabia muito bem o que era estar com uma mulher. Havia apenas tido algumas experiências com uma amiga.

Se você está esperançosa em encontrar rapidamente uma namorada nesses chats, vá com calma. Não é assim tão fácil, apesar de ter conhecido minha namorada por lá.

Das primeiras vezes que entrei, eu ainda namorava um homem, por isso não procurava um encontro, apenas conversar e entender melhor esse mundo. Eu achava que era um erro, praticamente uma traição estar ali. Mas eu precisava pelo menos conversar sobre o assunto com algumas pessoas.

Muitas lésbicas ficavam revoltadas (e com razão). Elas achavam que eu estava lá apenas para matar a minha curiosidade e ferir corações. De certa forma, naquele momento, elas não estavam erradas. Eu queria mesmo entender tudo aquilo e não tinha certeza se poderia ainda me apaixonar por uma mulher.

Comecei a conversar com uma menina que estava em outro país. Achei a situação confortável, no fundo, porque eu teria certeza de que seria apenas uma conversa. Então ela me disse que estava lá apenas a trabalho e que viria em breve para São Paulo.

Trocamos vários e-mails e em uma das últimas mensagens ela me disse: “Uma hora vou sumir. Minhas amigas já me disseram que vou me machucar, não posso continuar me comunicando com você…”. Eu tinha dito que aquilo não aconteceria, que eu não iria brincar com os sentimentos dela daquele jeito. Mas ao mesmo tempo eu não tinha absoluta certeza de tudo aquilo, então não fui firme nas palavras. Realmente ela fez o prometido e desapareceu.

Conversei com várias mulheres até conhecer uma garota que já namorava uma mulher. Ela não sabia dizer porque estava ali. Apenas estava…queria conversar. Foi o que começamos a fazer. Achei legal porque ela já tinha uma história, era lésbica a bastante tempo. Mas a conversa começou a ficar mais intensa e para minha infelicidade (pois achava tudo aquilo errado) decidimos nos encontrar. No primeiro encontro não tivemos coragem de fazer absolutamente nada. A consciência dela estava pesada, a minha também. Mas era nítido que havia rolado uma atração.

Combinamos um segundo encontro e aconteceu. Ela se sentiu mal e eu também. Mas não tão mal a ponto de fazermos novamente. A segunda vez foi a última. Tinha que parar por ali, se não nos arrependeríamos ainda mais. Apesar de ter feito essa completa idiotice, ela amava a namorada. E eu disse a ela para ficarem juntas, era a melhor opção. Não queria interferir em um relacionamento de anos. Ela concordou e ficamos amigas. Nem tanto, porque deixamos de nos falar (não por algum problema, mas porque a vida é assim mesmo). Mas podemos dizer que tudo terminou bem.

Nesse meio tempo fiquei com algumas meninas na balada, encontrei outra no bate-papo e por fim conheci a minha namorada.

Com ela foi tudo diferente. Ela não era de ficar batendo papo na internet. Não gostava disso, era bem prática. Ela é cinco anos mais velha do que eu, independente, madura, enfim, tudo que se espera de uma mulher moderna e atraente. Ela era realmente incrível. Logo no primeiro dia de conversa ela já quis combinar um encontro. Como eu costumava esperar um pouco (devido à minha inexperiência) levei um susto. Eu não sabia se conseguiria sair com ela sem ao menos conversar mais um pouquinho. Mas ela não tinha paciência, não gostava de conversar por lá.

Tentei explicar para ela que eu queria conhecê-la um pouco melhor. Isso porque eu também não tinha certeza se a mulher da foto era mesmo a pessoa que falava comigo. Na internet rolam muitas mentiras, como saber se a pessoa está sendo realmente sincera? Eu precisava de mais tempo.

Ela não entendeu no começo e ficou alguns dias sem falar comigo. Ela chegou a me chamar para sair uma segunda vez e eu ainda estava tensa com aquela mulher decidida. Ela me deixava nervosa (no bom sentido).

Então saí mais algumas vezes e cheguei a ficar com outras garotas (não do bate-papo, na balada mesmo). Beijar mulheres já estava ficando algo natural para mim, eu não ficava mais tão tensa. Conseguia manter uma conversa.

Antes disso, eu ficava praticamente muda, nervosa, desconfortável. Não tinha nenhum domínio da situação. Já com os homens a coisa era diferente, a gente já “conhece” melhor como as coisas funcionam com eles, né.

Da última vez que minha namorada me chamou pra sair aceitei na hora. Nos encontramos no mesmo dia. Ela foi de carro me encontrar perto da minha casa (eu não dei o endereço, ainda não sabia com quem estava lidando). Nos encontramos em um lugar público (aliás, essa é a melhor coisa a se fazer quando se encontra alguém na internet).

Quando ela desceu do carro fiquei paralisada. Ela era ainda mais linda pessoalmente. Muito feminina, de salto, roupa justa e muito perfumada. Na hora pensei: “Por que demorei tanto para encontrá-la?”. Ela era perfeita pra mim. Ficamos naquele dia e nunca mais nos desgrudamos. Daqui uns meses faremos dois anos juntas. E estamos cada dia mais apaixonadas.

Foi bom arriscar conhecer esse novo mundo.

Anúncios
comentários
  1. Joana disse:

    Blogsoubi adorei ler este post e saber um pouco sobre como começou a tua história com a tua namorada :)) Espero que voces sejam muitooo felizes juntas! Beijinho!

  2. Joana disse:

    Conta sim :)) Beijinho pra ti!

  3. Erica disse:

    Quero ver quando você vai colocar a sua carinha aí e mais a dela pra gente ver se vocês são lindas mesmo ou se é cascata! Beijos!

  4. Joana disse:

    Tb tenho muita curiosidade Erica ehehe 🙂

  5. Rayssa disse:

    kkkkkkkkk’, Agora Também Fiquei Curiosa Pra Saber Quem é Esse Casal Tão Fofo =D

  6. Jéssica disse:

    mas não é perigoso entrar em chats? Eu descobri que sou bi há pouco tempo e gostaria de conversar com alguém, mas tenho medo de entrar nesses lugares

    • blogsoubi disse:

      Jéssica, é preciso ter muita cautela sim ao entrar em chats. Felizmente eu não tive problemas, porque sempre tive muito cuidado. Combinava encontros em lugares públicos, pedia mais de uma foto e o celular. Mas se você conseguir perder a timidez a melhor coisa é frequentar bares e baladas gls. Por aqui, de repente, você também consegue encontrar alguém. Mas deve ter o mesmo cuidado. Abs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s